Magistrados e servidores exploram ferramentas e vantagens do Business Intelligence/e-Correição

 

A Corregedora Regional, Desembargadora Dalila Andrade, e o Juiz Auxiliar da Corregedoria, Firmo Leal, abriram na manhã da sexta-feira (28/6) o curso de Business Inteligence (BI) promovido pela Escola Judicial - por solicitação da Corregedoria Regional - para magistrados, assistentes e assessores, tendo a servidora da Corregedoria, Madalena Brito, como orientadora. As ferramentas desenvolvidas no BI/e-Correição e no IGest (Índice Nacional de Gestão de Desempenho da Justiça do Trabalho) pela Corregedoria do TRT5 transformam dados brutos em informações úteis na tomada de decisão e implementação de ações efetivas, com base em dados coletados nos relatórios online, dentre outros.

Segundo a corregedora, “é necessário visualizar de modo macro e por atacado tudo o que os processos têm de igual, para planejar ações e obter resultados em grande escala. O BI oferece essa possibilidade, e a experiência deste Regional é tão positiva que está servindo de modelo para diversos Tribunais construirem os seus sistemas”.

Já o Juiz Firmo Leal lembrou que o TRT5 começou a usar o BI há mais tempo, para acompanhamento de Metas Nacionais, e está mais avançado que outros TRTs. “Hoje nós não temos condições de gerenciar uma unidade sem estas ferramentas”, explicou o magistrado, que citou como exemplo de utilidade a reunião de processos por características de execução. Ainda de acordo com ele, a novidade está em permanente aperfeiçoamento e para isso precisa da participação dos usuários, que devem sugerir melhorias.

O curso de Business Inteligence (BI) ocorreu na sala de informática da CDP até o final da manhã e foram exploradas todas as funcionalidades disponibilizadas no Painel e-Magistrado, como prazos médios, audiências, sentenças líquidas proferidas, incidentes pendentes, dentre outros.

Secom TRT5 (Franklin Carvalho) - 3/7/2019